segunda-feira, outubro 08, 2007

"Quando quero ver aquele amor meu...pego no burrico e lá vou eu!"

Burro:



deriv. regr. burrico
s. m., Zool.,
mamífero da família dos equídeos, doméstico e mais pequeno do que o cavalo, geralmente de cor cinzenta, orelhas compridas, crina curta e um penacho de crinas na extremidade da cauda;
jumento, asno;


fig.,
mau humor, amuo;
estúpido, teimoso.
fig.,
- de sorte: felizardo.




E..."cor de burro quando foge"????
...ora...esta é dificil!
Já vi o burro fugir por mais de duas vezes, mas a cor nunca é a mesma...

Nota: inspirado numa qualquer fatiota de cão usada (também) em casamentos!

5 comentários:

sara disse...

Desvendaste o fundamento da expressäo: a cor do burro nunca é a mesma, e vai daí näo dá para prever quando o bicho vai fugir só de olhar para ele. Nada o faz adivinhar. Vai-se a ver e - surpresa! - fugiu. Uma cor que näo te diz nada e que, ainda por cima, vai mudando, fica assim conhecida como "cor de burro quando foge". Olha que eu até gosto.

maria arroz disse...

LOL!
:)

Baboseiro disse...

Essa história do "inspirado numa qualquer fatiota de cão usada (também) em casamentos" diz-me qualquer coisa...

maria arroz disse...

:)
é o que dá andares também a brincar aos cães!

Baboseiro disse...

E qual é o mal de brincar? Se quando somos crianças recomenda-se, porque é que em adultos recrimina-se?... Coisas parvas que se apanham com o evoluir da idade, digo eu...